Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Inês3D

Inês3D nasce da necessidade de escrever, de partilhar momentos, emoções, dicas, pensamentos... acerca de mim, da minha família e daquilo que considero relevante os outros saberem. Sem nunca ser demais, sem ser de menos...

Inês3D

Inês3D nasce da necessidade de escrever, de partilhar momentos, emoções, dicas, pensamentos... acerca de mim, da minha família e daquilo que considero relevante os outros saberem. Sem nunca ser demais, sem ser de menos...

19
Set16

À conversa com... Mitó, a minha fada-bruxinha

Hoje é dia de vos dar a conhecer outra das minhas Pessoas Especiais. Esta é sem dúvida uma muito-muito-muito especial! E tem um dom de fada-bruxinha que me encanta, que me cuida e que me rejuvenesce. 

A minha avó Bequinhas foi a primeira da família a experimentar a acupunctura. E falava sempre muito bem desta técnica e ajudava-a imenso a gerir as dores numa perna, que ela tinha magoado numa queda no metro de lisboa.

A partir dos 25 anos, começei a sofrer imenso de dores de cabeça e das chamadas enxaquecas. Na sua maioria insuportáveis, que me faziam querer vomitar, estar fechada num quarto escuro e não falar com ninguém. Quem as tem, ou teve, sabe do que falo.

Houve um dia, estava eu no trabalho, e começei a sentir-me muito mal, cheia de dores de cabeça, tonta, enjoada e muito fraca. Já tinha experimentado o migretil, o migraleve e o zomig e sempre que tinha uma destas crises, nada funcionava. Nesse dia, o Carlos disse basta,  "agarrou" em mim, literalmente, e levou-me a uma clínica no areeiro, chamada de Karma Clinic, onde trabalhava a Tia Fatinha. Fomos até lá e só me lembro de paredes brancas, uma voz forte, feminina e doce que me disse: "Vou te pôr umas agulhas para te ajudar". Adormeci e quando despertei sentia-me melhor. Mais calma e já podia tolerar a luz. Nesse dia não houve conversa, nem abraços, nem sorrisos e nem lágrimas.

Mas desde esse dia, há cinco anos atrás, que sempre que eu ou os meus próximos têm uma dor, uma patologia, um incómodo, eu ligo para a Karma Clinic e marco consulta com a Mitó. Esta fada-bruxinha já me tratou de: enxaquecas, ansiedade (tantas vezes), tristeza, herpes, alergias tropicais, etc. Sempre que alguém me desabafa que sofre disto ou daquilo, ou que ande mais em baixo e que tenha sintomas... eu digo sempre: tens de ir conhecer a Mitó!!! 

Além de me tratar, ela cuida de mim e é como se fosse um anjo da guarda. Ela sabe o lugar especial que ela tem no meu coração. Obrigada por tudo que já fizeste por mim, pelo amor que deste à minha Mamã e pela amizade que sei que temos! 

IMG_0220.JPG

Hoje trago ao "À conversa com..." a Mitó. Fiquem aqui a conhecê-la.  

O que é a Karma Clinic?


Mitó: Karma Clinic é uma espécie de “cooperativa” de terapeutas com boa energia, que partilham o mesmo espaço, onde o objectivo é que as pessoas se sintam bem, amadas, respeitadas, cuidadas e tratadas, mas também conscientes do papel e responsabilidade que têm na sua saúde.

Saber mais sobre a Karma Clinic

 

Qual é a tua especialidade?


Mitó: Medicina chinesa e Biomagnetismo médico.

 

Porquê é que as pessoas te procuram?


Mitó: Essencialmente para tratar algum desequilíbrio ou doença já diagnosticada. Ou para pedir conselhos alimentares ou de estilo de vida. Como me especializei em infertilidade, recebo muitos casais para ajudar a fazer bébés. Mas muito sinceramente, há muita gente que me procura por solidão.

 

O que se passa entre as tuas 4 paredes?


Mitó: Fala-se muuuuuito! Essencialmente conversa-se. Enquanto isso eu procuro fazer um bom diagnóstico, porque esse é o segredo do sucesso do tratamento. Geralmente começo por tentar perceber se existem microorganismos patogénicos no corpo do paciente (bactérias, vírus, parasitas ou fungos) e matá-los com os meus ímans. Depois, na mesma sessão ou nas posteriores, equilibro energeticamente todos os órgãos, glândulas, sangue e demais líquidos orgânicos.

 

O teu nome é Maria Antónia, mas eu sempre te chamei Mitó. Donde vem a alcunha?


Mitó: Desde que nasci que me chamam Mitó. Como sou a 4ª filha dos meus pais, ficou combinado que se saísse menina de novo, ficaria com o nome do pai (António). Maria Antónia fiquei. Mas era muito grande de se dizer e toda a gente tratou de me chamar Mitó. Até hoje. Eu bem tentei fazer cartões lá na clínica com “Antónia Mendes”, mas é rara a pessoa que não liga a marcar consulta com a Mitó…

 

Tens uma outra veia artística, sim porque o que tu fazes é arte. Qual é o outro lado da Mitó?


Mitó: O meu outro lado é ter vários lados! Sou um ser muito complexo, com interesses muito vastos. Já estudei música e teatro, fiz cinema, editei 6 discos, e tenho vários sonhos que ainda quero concretizar, entre eles dança e marcenaria… Adoro cozinhar, ouvir música muito alta, e lavar roupa em tanques :) Enfim, há quem faça pior!

 

Lembras-te quando foi a primeira vez que nos conhecemos?

Mitó: Claro. Foi uma urgência. Há 5 anos. Chegaste lá com uma enxaqueca que nem conseguias falar. Eu deitei-te logo e tratei de te encher de agulhas. Ficaste lá de olhinhos fechados com cara de sofrimento… e eu cheia de pena. Nesse dia quase não falámos. Mas depois desforrámo-nos :)

 

Se eu um dia te pudesse pagar sem ser em dinheiro como seria?


Mitó: Ah, mas isso é muito habitual. Sem problema nenhum. Todos os dias atendo pessoas a quem não cobro. Sei que nem toda a gente pode pagar estes tratamentos. E como forma de compensação, essas pessoas trazem-me géneros. Acreditas que muitas vezes prefiro? Todos os terapeutas lá da clínica gozam comigo porque tenho sempre a minha mesa cheia de iguarias. Garrafas de vinho não passa uma semana sem, azeite, cabazes com legumes, ovos, artesanato, fruta, chocolates, mel, carne, enlatados, já recebi um borrego inteiro!

Por isso não te preocupes, há muitas formas de trocarmos favores :)

 

Deixa aqui a tua mensagem:

 

CÂNTICO NEGRO

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces


Estendendo-me os braços, e seguros


De que seria bom que eu os ouvisse


Quando me dizem: "vem por aqui!"


Eu olho-os com olhos lassos,


(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)


E cruzo os braços,


E nunca vou por ali...


A minha glória é esta:


Criar desumanidades!


Não acompanhar ninguém.
—

Que eu vivo com o mesmo sem-vontade


Com que rasguei o ventre à minha mãe


Não, não vou por aí!

Só vou por onde


Me levam meus próprios passos...


Se ao que busco saber nenhum de vós responde


Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,


Redemoinhar aos ventos,


Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,


A ir por aí...


Se vim ao mundo, foi


Só para desflorar florestas virgens,


E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!


O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós


Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem


Para eu derrubar os meus obstáculos?...


Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,


E vós amais o que é fácil!


Eu amo o Longe e a Miragem,


Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,


Tendes jardins, tendes canteiros,


Tendes pátria, tendes tetos,


E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...


Eu tenho a minha Loucura!


Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,


E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...


Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!


Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;


Mas eu, que nunca principio nem acabo,


Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

 

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,


Ninguém me peça definições!


Ninguém me diga: "vem por aqui"!


A minha vida é um vendaval que se soltou,


É uma onda que se alevantou,


É um átomo a mais que se animou...

 


Não sei por onde vou,


Não sei para onde vou


Sei que não vou por aí!"

nota: este post não é publicidade.