Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inês3D

Inês3D nasce da necessidade de escrever, de partilhar momentos, emoções, dicas, pensamentos... acerca de mim, da minha família e daquilo que considero relevante os outros saberem. Sem nunca ser demais, sem ser de menos...

Inês3D

Inês3D nasce da necessidade de escrever, de partilhar momentos, emoções, dicas, pensamentos... acerca de mim, da minha família e daquilo que considero relevante os outros saberem. Sem nunca ser demais, sem ser de menos...

08
Dez16

Sopa da Pedra, tão boa e aqui tão perto

Hoje foi dia de sair em família, estava escrito no advento familiar, mas porque hoje celebra se o feriado religioso da Imaculada Conceição. Costume antigo em que se celebrava o dia da Mãe. A minha Mamã cumpria essa tradição e todos os 8 de dezembro, saiamos sempre, mais a minha Avó Bequinhas para fazer um programa. Na ausência da minha querida Mamã decidi convocar a Bequinhas, a Prima Luísa, os meus Sogros, a Tia Ana, e a Princesa e Malvina para irmos até um local que andava doida para conhecer. Aderimos à iniciativa da Quinta do Arneiro e a sua famosa Sopa da Pedra. 

Sendo Cliente dos cabazes semanais, recebi a notícia em primeira mão através da newsletter, fiz a inscrição de todos, paguei e assentei na agenda.

Hoje foi o dia que a família se dirigiu até Mafra, onde fica a Quinta do Arneiro numa zona verde, muito calma, serena e em que assim se entra na quinta percebe-se que ali se faz magia.

O dia por si só decorou o espaço, um sol quente de inverno, com uma brisa fresca da região recebeu-nos de braços abertos. Bem como toda a equipa dedicada a este tão importante evento. O jardim da quinta já estava muito bem decorado, os caldeirões da sopa já estavam a fumegar, e as iguarias quase a chegar para serem servidas. Gente simpática, sorridente e encantada com a beleza da casa, dos campos, do restaurante, da mercearia, do mercado e até com uma árvore de natal criada para o dia para ser decorada pelas crianças. Nada foi esquecido.

IMG_3264.JPG

 

Para almoço não havia dúvida - comer sopa da pedra - acompanhada de um húmus e pão quente caseiro, de babar e pedir por mais. A sopa da pedra tinha duas opções - vegetariana e sem ser vegetariana. Provei das duas e ambas estão mais que aprovadas! Para complementar havia enchidos e hortelã da horta para adoçar a sopa. Para sobremesa um caldo de abóbora, laranja finamente cortada e batata doce assada, tudo vegetais cultivados na quinta e de época. Que deliciosa estava a comida e o preparo de tudo feito com tanto amor e dedicação. Muito importante saber receber.

 

 

A seguir ao almoço, houve espaço para fazer compras no mercado e na mercearia, trouxe de tudo um pouco, chamou-me a atenção o cheiro da rúcula, o fresco dos espinafres, a beleza das alfaces, os shitake, e a salsifi a minha mais recente descoberta. O sino tocou e a convite da Luísa, a dona da Quinta, fomos até à horta passear pelo espaço, onde pudémos conhecer a origem dos vegetais biológicos que a Quinta do Arneiro traz até nossa casa. Tudo cutlivado de forma biológica e a crescer de acordo com a época que vivemos. O que mais me deslumbrou ou que surpreendeu foi de fato de estar num local que chega até minha casa, todas as semanas, em forma de cabaz e em que eu pude dizer aos 3 D´s hoje que os produtos são semeados, cultivados, tratados e colhidos e colocados em cabazes. Os legumes nascem na terra, meus amores e não nas prateleiras do supermecado. Fala a menina da cidade que até à bem pouco tempo, não sabia como uma courgete nascia da terra... Sempre a aprender!

Foi um dia divinal e, com certeza, vamos repetir. Desejosa de experimentar o restaurante da Quinta. 

Muitos parabéns à Luísa e à sua equipa sorridente, simpática e pedagógica. Parabéns pelo que faz e é mesmo assim: "Love, everyday, what you do and who you are, you are what you Do".

 

 

E sobre a Sopa da Pedra...

Um frade pobre, que andava em peregrinação, chegou a uma casa e, orgulhoso demais para simplesmente pedir comida, pediu aos donos da casa que lhe emprestassem uma panela para ele preparar uma sopa – de pedra... E tirou do seu saco uma bela pedra lisa e bem lavada. Os donos da casa ficaram curiosos e, de imediato, deixaram entrar o frade para a cozinha e deram-lhe a panela. O frade colocou a panela ao lume só com a pedra, mas logo disse que era preciso temperar a sopa... A dona da casa deu-lhe o sal, mas ele sugeriu que era melhor se fosse um bocado de chouriço ou toucinho. E lá foi o unto para junto da pedra. Então, o frade perguntou se não tinham qualquer coisa para engrossar a sopa, como batatas ou feijão que tivessem restado da refeição anterior... Assim se engrossou a sopa “de pedra”. Juntaram-se cenouras, mais a carne que estava junta com o feijão e, evidentemente, resultou numa excelente sopa.

Comeram juntos a sopa e, no final, o frade retirou cuidadosamente a pedra da panela, lavou-a e voltou a guardá-la no seu saco... para a sopa seguinte!